Miguelópolis decreta calamidade e proíbe entrada de turistas como prevenção ao coronavírus


← Voltar para as Notícias




Postado em 21 de março de 2020 às 9:51


A Câmara Municipal de Miguelópolis (SP) aprovou e a prefeitura decretou nesta sexta-feira (20) estado de calamidade e situação de emergência em saúde por conta do novo coronavírus. Com as medidas, os turistas foram proibidos de entrar na cidade e a praia artificial, principal ponto de lazer, fechada inclusive para moradores. As medidas já começaram a valer.

Os três acessos à cidade foram bloqueados com cones e fiscais da prefeitura fazem o monitoramento. Eles orientam pessoas que não são moradores da cidade a retornarem para a rodovia, segundo a prefeitura.

A exceção é para moradores de outras cidades que possuem casas ou ranchos na cidade. Nesse caso, ele terá de comprovar a propriedade e terá a entrada liberada, segundo a prefeitura.

A assessoria de imprensa da prefeitura também defende que as entradas bloqueadas não dão acesso a outras cidades e, por isso, os motoristas de fora não teriam seus caminhos prejudicados.

O turista que quiser entrar e permanecer na cidade ficará sujeito a multa de 500 unidades fiscais de Miguelópolis, que equivalem a R$ 1210. Também será registrado um boletim de ocorrência para ser encaminhado ao Ministério Público.

Praia fechada

O estado de calamidade também proibiu o acesso à praia artificial, à rampa de acesso da praia ao Rio Grande, ao píer e à Marina do local.

Esta proibição vale não só para turistas, mas para moradores também. O desrespeito à norma vai gerar multa de 500 unidades fiscais e, em caso de reincidência, a outra aplicação com o dobro do valor.

A cidade não possuía casos suspeitos de coronavírus até esta quinta-feira (19).

Eventos, pesca e passeios proibidos

A pesca e os passeios náuticos foram suspensos na praia artificial pelo prazo de 30 dias. Pelo mesmo período também foram proibidos eventos fechados independentemente da aglomeração e os em locais abertos com mais de 15 pessoas.

O decreto recomendou que bares, hotéis, pousadas, restaurantes, academias, marinas e demais pontos comerciais fiquem fechados durante a pandemia do coronavírus. Se o estabelecimento optar por funcionar, devem seguir recomendações de higiene e para garantir que não haja aglomeração.